A liderança e as boas relações humanas



Todos nós, somos líderes e liderados em diferentes momentos da nossa vida e rotina. Na profissão, no esporte, na comunidade, no condomínio, na família, no grupo de amigos...ou seja, como um ser sociável que estabelece relações de interdependência com o grupo, ora estamos em uma polaridade, ora na outra, e muitas vezes exercemos ambas as funções!


Muito se fala sobre liderança pela ótica do líder. Liderar pelo exemplo, o papel do líder servidor, liderança que gera sinergia em determinado grupo etc.


Minha reflexão hoje é sobre a capacidade de ser liderado. Pois é, no meu ponto de vista, só aprende a liderar com legitimidade aquele que se predispõe a ser liderado.


Em uma sociedade com boa parte da juventude um tanto "mimada", onde por vezes os idosos são esquecidos e as crianças tornam-se pequenos tiranos, os valores hierárquicos são pouco preservados. Não notamos com a frequência devida a valorização dos antigos, dos pais e avós, dos professores, orientadores, mentores etc...


Em uma modernidade com grande liquidez, devemos ficar atentos para não valorizamos mais o ter do que o ser. Talvez aceitemos com naturalidade um alto custo dos bens materiais e nos assombremos com investimento em cultura, serviços, valores e conhecimento. Creio que não podemos achar comum amarmos as coisas e usarmos as pessoas, quando o contrário deveria ser a regra: usar as coisas e amar as pessoas. (Li esta citação em algum canto das redes sociais, mas infelizmente não me lembro onde foi para citar os créditos).


Dentro deste escopo, percebemos uma juventude com pouca garra e com muitos problemas comportamentais para se relacionar e assumir responsabilidades.


Ao longo de dezesseis anos atuando como empreendedora do DeRose Method mais oito anos em escritórios de advocacia, lidei com muitas equipes diferentes, alunos, colegas de trabalho. Em quase todos os momentos da minha vida profissional aprendi a liderar e ser liderada.


Notei que mesmo em universos profissionais completamente distintos como a advocacia e o segmento de alta performance, aqueles que se dispuseram a ser liderados tornaram-se bons líderes.


Selecionei oito características comportamentais que, ao meu ver, são essenciais ao desenvolvimento e sucesso dos novos líderes.


São elas:

1. Canais abertos para aprender

2. Vontade de receber feedback

3. Autoestima para seguir uma atitude de comando

4. Capacidade de discordar de forma proativa

5. Intraempreendedorismo

6. Valorização do trabalho em grupo

7. Vontade de fazer bem feito

8. Carinho e empatia pela liderança


A figura abaixo, demonstra a importância desta relação bilateral. É imprescindível que o líder oriente e direcione o grupo, que jogue junto, que cuide dos seus, mas é tão importante quanto, a predisposição do liderado para ser içado.


Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags