O insucesso em uma etapa

Texto por Paola Martins




É horrível quando vivemos um momento ruim.


É pior ainda quando passamos por dias, meses, ou mesmo anos inteiros que são apenas e absolutamente péssimos.


Depois de um tempo mergulhado em uma fase complicada, o gosto amargo do fracasso é tudo o que você sente na boca, pois já não reconhece mais nenhum outro sabor.


Como nos ensina o Prof. DeRose, "obstáculos e dificuldades fazem parte da vida, e a vida é a arte de superá-los".


Todavia, avançar para a próxima fase, deixar o fracasso para trás, é tão desafiador...


Muitas vezes, somos programados a nos apegar à dor, ao sofrimento, às ruínas de nós mesmos, a todos os sentimentos e impressões causados pelo insucesso de uma etapa, e não conseguimos sair dali, por mais força que façamos.


É impossível sair da areia movediça sozinho: precisamos ficar mais fortes e nos cercar de pessoas que possam nos ajudar a sair dali, e não que tenham o potencial de nos empurrar ainda mais para o fundo e para o escuro.


Não avançar para o próximo momento em razão de permanecermos atados aos grilhões causados por um insucesso é corriqueiro, pois este local, ainda que estreito, escuro e doloroso, é familiar e conhecido.


Nosso instinto, muitas vezes, nos conduz pelas trilhas já exploradas antes, por medo de abrir novos caminhos.


O processo é este mesmo: o autoconhecimento e o autodesenvolvimento é contra instintivo, porque nos conduz para além dos limites que outrora forjamos para nós mesmos, expandindo nossa consciência.


A quebra, o rompimento, a libertação dos instintos e condicionamentos mais arraigados é o que nos conduz para o próximo estágio, no qual enfrentamos nossos insucessos através deles, e saímos do outro lado, ainda mais fortes.


Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags