Assumir a responsabilidade de ser quem você é de verdade

Texto por Paola Martins



Encarar a si mesmo é único caminho. É claro que antes disto você esgotará todas as rotas alternativas e possíveis atalhos que encontrar na sua jornada pessoal e individual de autoconhecimento, até estar preparado para admitir que não existe caminho mais curto ou caminho mais fácil: a única rota que leva para o destino final é através de si mesmo.


Não fuja do seu reflexo no espelho. Se você tem tido problemas de encarar a própria imagem, e tropeçou neste texto, é uma oportunidade de buscar seus porquês, seus motivos, suas razões.


Tudo o que negamos nos domina, e enquanto estivermos de olhos fechado para o que verdadeiramente somos, seguiremos dominados pelas pressões e influências externas que tão desesperada e afobadamente tentamos negar, como se fosse possível fugir do próprio meio: não é.


Precisamos de contexto para tudo o que fazemos, tudo o que queremos, tudo o que pensamos, tudo o que desejamos, tudo o que somos. Sem contexto, sem enredo, sem narrativa, sem entorno, não somos, verdadeiramente, nada.


Entretanto, só verdadeiramente atinge a sua essência aquele que reconhece a medida de suas amarras sociais, mergulha para dentro de si mesmo, e busca fortalecer-se: pois para não restarmos corrompidos pelo meio, precisamos nos tornar mais fortes, mais intensos, mais brilhantes, mais irradiantes, mais intensos, mais verdadeiros do que ele.


Uma réstia de luz, por mais milimétrica que seja, é suficiente para romper com latifúndios do mais profundo breu.


Assuma essa responsabilidade: de buscar se tornar, a cada dia mais, você mesmo.


Este é o único ato de coragem e o único verdadeiro ato de liderança que existe.


E também é a única forma de impactar o mundo a nossa volta, presente e futuro.


Ser o que verdadeiramente somos é nosso maior - e único - possível legado.


Essa transformação, na realidade é tão e somente uma jornada de reencontro e descoberta daquilo o que já habita em você: um potencial inesgotável.


Lembre-se disto todas as vezes que estiver em vias de terceirizar essa responsabilidade para os outros. Ninguém pode dar o próximo passo, e todos os outros depois dele, em direção aquilo o que você é de verdade, sem ser você mesmo.


Porque a ninguém interessa a sua descoberta de si, a não ser a você mesmo.


Inclusive, é comum que neste caminho de autoconhecimento você cause descontentamento para algumas pessoas que hoje estão a sua volta, pela simples questão de quebra de expectativas que hoje repousam sobre você: pai e mãe, avós, irmãos, amigos, chefes, colegas, conhecidos, amores e paixões - todos, sem exceção, possuem em suas cabeças imagens suas que construíram sobre você e que, em grande medida, independem de você, e vem revestida de expectativas e padrões daquilo o que imaginam que você será hoje, amanhã e depois disto também.


E ai um belo dia você dá o mais legítimo passo de liberdade: o passo para dentro de si mesmo.


E quebra todas essas expectativas que repousavam sobre você.


E tudo bem. Pois só quem carrega a alegria e o fardo de ser você mesmo, é você.


O que você fará com isto é uma responsabilidade - e um regozijo - somente seu.


Faça suas escolhas, faça suas apostas, faça seus movimentos mais certeiros para ser quem você é.


E cerque-se de pessoas que vibrem com cada um dos altos e baixos desta montanha-russa.

Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags