Autoentrega

Texto por Paola Martins

Normalmente, nada do que queremos cai do céu azul em nossos colos sem que façamos algum esforço.


Para conquistarmos nossos objetivos, precisamos superar obstáculos e sair da nossa zona de conforto. A era das cavernas acabou há milênios, e ainda hoje temos a sensação de nos levantarmos todas as manhãs com o objetivo de matarmos um leão por dia.


Mas você sabe identificar o exato momento em que você pode relaxar e apenas aproveitar para colher os frutos daquilo que você plantou?


O “destino” não nos dá nada de mão beijada. É preciso ação. E todas as nossas ações, mais dia, menos dia, dão resultado. É neste momento que precisamos exercitar nossa habilidade de simplesmente realizar a autoentrega.


Como nos ensina o Prof. DeRose:


“Quando a consciência está tranquila por ter tentado tudo e ainda assim não se haver conseguido o resultado ideal; quando a pessoa está literalmente impossibilidade de obter melhores consequências, esse é o momento de entregar o fruto de suas ações a uma vontade maior que a sua, cujos desígnios muitas vezes são incompreensíveis”.


Todos queremos os frutos, e temos urgência em conseguí-los (aliás, vivemos em uma época do mundo em que a coisa menos urgente ainda assim deve ser atendida em até 48h, tamanha a insanidade da pressa de tudo para ontem), mas em quantas situações podemos realmente dizer que colocamos tudo o que tínhamos? Que fizemos todo o possível?


O mais comum é termos feito o mínimo, e ainda assim já possuirmos expectativas de receber resultados.


Agora pense: Quais são seus maiores sonhos? Seus maiores objetivos?


Pensou?


Então responda: Você REALMENTE pode dizer que entregou 110% de si para conseguir concretizar sua meta?


Se a resposta for “SIM”, ótimo. Tudo bem relaxar o coração e entregar-se.


Agora, se a resposta for “não”, ou mesmo “talvez”, é preciso seguir trabalhando neste sentido. Mentalização, sem ação, é só ideias.


Entregar-se é como aproveitar a queda livre após o salto do penhasco: fica muito mais fácil se você tiver a certeza que preparou bem a superfície de pouso lá embaixo.


E esse preparo é um trabalho de conta gotas, dia após dia, que pode começar hoje:


Que tal praticar autoentrega através de respiratórios, técnicas corporais e treinamento de meditação?


Quer entender como isso é possível?


Acesse o site abaixo:




Posts Recentes